Sem Dengue APK Android

O que é? O aplicativo Sem Dengue foi criado para registrar possíveis focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. A ferramenta está sendo usada por prefeituras de 30 cidades para mapear imóveis que podem ser criadouros do mosquito, mas, no momento, não há intenção de usar as informações para efetivamente erradicar o foco.

BAIXARAPP

ANDROIDIOS

Apenas banco de dados

As autoridades concordam que uma das melhores formas – talvez a melhor – de erradicar doenças como dengue, zika e chikungunya é evitar a ação de seu principal transmissor. No caso, o Aedes aegypti, um tipo de pernilongo que usa água parada para desenvolver suas larvas. O governo federal anunciou um investimento de R$ 2 bilhões no combate ao mosquito. Mas algumas instâncias do poder público ainda desperdiçam oportunidade de identificar potenciais focos de criação do inseto.

Os idealizadores do Colab, um aplicativo que permite a população publicar suas demandas em relação ao poder público e está sendo usado por cidades como Curitiba,  desenvolveram o Sem Dengue. Trata-se de uma ferramenta semelhante ao Snapchat, mas com a função específica de registrar imagens e localização de possíveis criadouros do mosquito da dengue.

Os ovos do Aedes aegypti são depositados em áreas secas próximas à água, onde podem viver por até 450 dias. Por isso, locais que podem acumular água, mesmo sendo tão pequenos quanto tampas de garrafa, podem ser usados como criadouros. O  mosquito normalmente voa uma distância de até 200 metros do local onde a sua larva se desenvolveu. O aplicativo tem a função de mapear esses possíveis focos que estão visíveis, mas são inacessíveis.

Até o fechamento desta reportagem, já haviam sido publicadas 1.160 fotos informando a localização de prováveis focos do Aedes aegypti. A cidade com mais locais indicados é São Paulo, onde 24 dos 96 distritos registraram mais de 300 casos de dengue por 100 mil habitantes nos últimos dois anos, o que caracteriza epidemia.

A ferramenta foi cedida gratuitamente para as prefeituras interessadas, que podem ou não utilizar as informações no combate aos focos do mosquito.  São Paulo é uma das cidades que utilizam os dados do aplicativo. Uma medida compreensível pela quantidade de casos de dengue, mas a secretaria municipal de saúde esclarece que o aplicativo “não é um canal para solicitação de serviços ou mesmo vistoria dos possíveis criadouros”. Procurada pela reportagem do Outra Cidade, a pasta confirma que as informações publicadas no Sem Dengue “ajudarão a Secretaria no mapeamento já existente e feito com critérios objetivos (número de casos notificados e casos confirmados)”.

Isso significa que as informações sobre possíveis focos de criadouro do Aedes aegypti serão utilizadas apenas como banco de dados, e não como denúncias pontuais que poderão ser investigadas. Em um momento em que até o governo federal fala em mobilização nacional, é estranho desperdiçar uma ferramenta que dá ao poder público a informação direta de onde agir.

COMENTÁRIOS

O seu endereço de e-mail não será publicado.