Freedom 251 – Especificações Técnicas, Preços

Na semana passada, nós falamos por aqui sobre o Freedom 251, que promete ser o smartphone mais barato do mundo com preço equivalente a R$ 15. Ele levantou diversas suspeitas na Índia, onde está sendo vendido, e a situação ficou mais estranha desde então.

O Freedom 251 tem especificações boas demais para custar apenas R$ 15. Na verdade, ele é extremamente parecido com um smartphone já presente no mercado indiano – e que custa o equivalente a R$ 240.

A Ringing Bells, responsável por vender o Freedom 251, explica isso de uma forma nada convincente. O presidente da empresa, Ashok Chadha, disse na semana passada que o smartphone custaria cerca de R$ 145 para ser fabricado, e que recuperaria parte desse valor através de uma série de medidas – economias de escala, marketing inovador e isenção de impostos.

Mas Mohit Goel, diretor da Ringing Bells, disse nesta segunda-feira que o custo do smartphone será de meros R$ 85. O executivo diz que as economias de escala reduzirão o custo para R$ 70 no futuro; e levando em conta o dinheiro recebido para embutir apps no smartphone, esse valor cairá para R$ 50.

“Também vamos rentabilizar o tráfego pesado em nosso site e criar uma loja online para outras marcas usarem, isso também irá ajudar a reduzir o custo”, explicou Goel ao Times of India. No fim, a empresa espera ter um lucro de R$ 2 em cada smartphone vendido.

É uma expectativa ambiciosa demais, e deixou muita gente desconfiada. O Ministério das Telecomunicações da Índia fez uma avaliação interna sobre a viabilidade do Freedom 251, e acredita que ele não pode custar menos de R$ 130. O ministério também observa que o smartphone não tem certificação BIS, espécie de Inmetro indiano.

A Indian Cellular Association, entidade que representa as fabricantes de celulares na Índia – com membros como Samsung, Microsoft e Apple – também se manifestou.

A ICA afirma: “nós checamos com todas as operadoras do setor e ninguém admitiu qualquer tipo de negócio ou parceria com eles. Digo apenas que os consumidores devem ter cautela”. Ela estima que um smartphone com essas especificações teria custo a partir de R$ 155.

Chaddha diz que o valor do smartphone não será subsidiado pelo governo indiano. O capital para fabricá-lo virá de uma família “envolvida em negócios de commodities agrícolas”, sem informar mais detalhes.

Apesar das suspeitas, o site freedom251.com saiu do ar várias vezes devido à demanda – eram picos de milhões de acessos simultâneos, porque todo mundo queria um smartphone de R$ 15.

A pré-venda precisou ser interrompida mais de uma vez, e até motivou protestos na sede da Ringing Bells de pessoas que não conseguiram reservar o aparelho:

No fim, 30.000 pessoas já pagaram pelo smartphone barato, incluindo as despesas de envio (o frete é de apenas R$ 2). O dinheiro está depositado em um serviço de pagamentos, e só será liberado quando a Ringing Bells apresentar uma prova de que entregou os produtos.

“Por que estão achando que eu vou fugir com o dinheiro? Eu pretendo fazer um negócio válido, assim como qualquer outra startup, e eu tenho um plano de negócios pronto”, disse Goel ao Times of India.

freedom 251 ap (2)
Mohit Goel, diretor da Ringing Bells; e Ashok Chadha, presidente da empresa

Além disso, há uma fila de espera com 60 milhões de cadastros. A empresa diz que vai entregar 5 milhões de unidades até o final de junho – metade deles irão para pedidos online, e a outra metade para vendas em lojas físicas.

Todos serão importados da China; a Ringing Bells espera montá-los na Índia em até um ano. A empresa está importando componentes de Taiwan para testar a montagem do smartphone no país. Ela planeja investir o equivalente a R$ 200 milhões para montar pelo menos duas fábricas nos próximos 6 a 8 meses.

O Freedom 251 possui tela IPS de 4 polegadas e resolução 960 x 540, processador quad-core de 1,3 GHz, 1 GB de RAM e 8 GB de armazenamento expansível. As câmeras têm 3,2 megapixels e 0,3 MP, e a bateria tem 1.450 mAh. Ele roda Android 5.1 Lollipop.

[BGRTimes of IndiaThe Hindu]

Fotos por Saurabh Das/AP

COMENTÁRIOS

O seu endereço de e-mail não será publicado.